Ao Piscar


Por onde andam
os olhos teus
que os olhos meus
não os percebem,
menos ainda os
conseguem contemplar?

Lá estão por planícies
a caminhar,
o cerrado a belas
flores imaginar,
até pelo seco sertão se achegar
e enfim no imenso azul
do mar se debruçar,
e ali se perder
até o flictz
da lua alcançar.

Em suas crateras
se afundam
trazendo a pergunta
se ali estava
em outras eras.
De onde viria
tamanha e formosa esfera?

Inútil conhecimento seria
mesmo para tão curiosos
olhos que na tão diversa
natureza buscam a primazia,
o detalhe, a matiz, o contorno
e com a vida se extasia.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Texto Livre. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s