Vaga o Vago


Soberba pessoa de tão limitada posse.

Limite pequeno ao que caber poderia o estreito pensamento.

Vagos clarões de submersas intenções

e poucas linhas de tecido comido.

 

Pobre o ponto de grande remendo.

Leigo o curador de intensa dor.

Escasso o ar que se pode respirar.

Estampido breve de espingarda leve.

 

Desbotada cor em aquarela pintada.

Dilacerada ferida a ferro cauterizada.

Buraco cavado a pá de areia tapado.

Água derramada ao sol num espelho evaporada.

 

Pássaro vindos do sul que aqui chegarão.

Sementes pequenas de árvores grandes.

Sonora música de letra lúdica.

Dia de sol de luz sem igual.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Texto Livre com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s