Reflexo


Triste fim de si mesma.

Mentir

para si mesma, simplesmente.

Levar ao mundo, enganar a todos.

Triste sombra,

achar que nela se esconde, desvario.

Ocultar

para que a multidão se cegue, ou miopefique-se

não vendo plenos contornos ou o cerne pútrido

no centro alvejado.

Estar, só estar, nada mais.

Não é propriamente um viver, e sim um passar.

Passar por todos, fazer de si o fruto de seu próprio desejo.

Estar só.

Lacerar o coração, minguar a alma.

Nada bem, nada bom, só uma lembrança de uma criança.

De si fazer nada, raiz seca. Fosse árvore, nem flor.

Exílio, onde de si mesma protege.

Tenta, de forma visceral e inútil,

responder à vida, retribuir o dom.

Julgar-se-á, como feito no passado, densa, intensa.

Engana-se a si mesma,

em seu mundo criado a seu sustento.

Usando sempre os ícones da comédia e do drama.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Texto Livre com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s