Entre-Meios-Tons


Já tinha de mim mesmo encontrado o que muitos nem se dão conta. Já sabia quais pegadas eram minhas, quais estrelas havia lançado ao mar, qual dos meus dois cães mais alimentar e até mesmo qual acorde solfejar. Já sabia, do meu paladar, o meu melhor sabor e sabia de cada sentido a melhor sensação. Que dois litros d’água ao dia faz bem, eu já sabia, que comer adequadamente melhora a minha vida, também já. Que sol de menos ou de mais faz mal, estava cansado de saber.

Mas ali, naquela pauta, em plena Clave de Sol, em compasso quaternário, bem no meio daquela canção, de acordes tão sonoros, entre o mi e o fá me aparece um sustenido, ou seria um bemol?

Seria algo para destoar qualquer dó maior, mas, ao contrário, deu uma sonoridade que sequer antes existia. Era um ‘entre-meios-tons’ que me encontrava, trazendo consigo uma nova sonoridade. Lá, nesse lugar ouvi meu nome. Se, não havia antes ou depois dele, ou mesmo qualquer expressão condicionante. Até porque, poderia se encontrar fenômeno semelhante nesse lugar.

Nesse novo tom, um novo acorde se formou. Para ele não há oitava acima ou oitava abaixo, não há maior ou menor. Ele é algo tão especial que liga o meu ser à descoberta do que já existia e ao surgimento do que ainda não havia.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Texto Livre com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s